Código: 145
Objetivo

A prática clínica tem nos confrontado com o surgimento constante de novas demandas, entre elas as figuras clínicas que há alguns anos começaram a ser  categorizadas como ‘novas patologias’ pelo discurso médico, amplamente divulgado pela mídia. Este curso aborda estas formas de sofrimento psíquico - que certamente implicam desafios quanto a seu manejo clínico e seu fundamento psicopatológico - como representantes do mal-estar de uma época em suas rápidas e profundas transformações.  Interrogamos em que medida podem ser lidos como variantes das formas clássicas da psicopatologia psicanalítica ou expressar novas formas de produção de subjetividade em sua relação intrínseca com o campo social mais amplo. Evitando reduzir estas figuras clínicas a estruturas invariáveis e estanques, pretendemos  problematizá-las na perspectiva de sua complexidade, através de vários eixos conceituais da psicopatologia psicanalítica e em sua dimensão de “psicopatologia da vida cotidiana” contemporânea.

Corpo Docente

Adriana Victorio Morettin, Aline Camargo, Ana Lúcia Panachão, Helena Maria Freire da Mota e Albuquerque, Márcia de Mello Franco, Mario Pablo Fuks-coordenador, Mania Deweik, Marli Ciriaco Vianna, Nayra Cesaro Penha Ganhito,  Tatiana Mazzarella e professores convidados.

Conteúdo Programático
Funcionamento: – seminários teóricos semanais (1h30 de duração); – supervisões semanais (1h30 de duração); – aulas teóricas periódicas, com professores do curso e convidados.
Conteúdo:
1° ano: a) Demanda clínica e psicopatologia psicanalítica. Protótipo “sadio” e mal-estar da época. O sintoma na psicanálise e o modelo médico. Narcisismo, estruturação edípica e formação dos ideais. b)Vicissitudes da perda do objeto. O deprimido na cena social. A lógica da depressão. Depressões, luto e melancolia na sociedade industrial. c) Manifestações no campo do angustiante: crises de angústia, ataques de pânico, terror, angústia-sinal. O modelo da neurose atual e os limites da simbolização. O desamparo como condição da constituição psíquica. Pânico e subjetivação. A clínica do pânico.
2º ano: d) A insônia e o sono perturbado como expressões do mal-estar da época. Amamentar e adormecer o bebê: um modelo de constituição de um circuito pulsional. Erótica do sono e desejo de dormir. Regressão no sono e no sonho versus atividade motora. Figuras clínicas: insônias, hipersonias, terror noturno, sonambulismo. e) O objeto droga e sua função para o sujeito: a questão da interiorização do objeto. Consumo do objeto e experiência subjetiva. O prazer e a relação com a realidade nas toxicomanias; fetiche e recusa da perda. A toxicomania como sintoma social e como sintoma clínico. f) Anorexias e bulimias. A sexualidade feminina: o edípico e o pré-edípico. A experiência de satisfação: necessidade, pulsão e desejo. Relações mãe-filha: vicissitudes da perda e alternativa fetichista. O campo da oralidade. Acting-out e passagem ao ato.
Destinado a

Psicanalistas, psicólogos, médicos e profissionais da área de saúde que já possuam fundamentos teóricos em psicanálise clínica, interessados na abordagem psicanalítica dessa problemática.

Duração/Horário

Duração:

dois anos. Carga horária do curso: 201 horas.

Horário

terças-feiras, das 19h00 às 22h15.

Share on FacebookTweet about this on Twitter